quinta-feira, 21 de abril de 2016

Atividades de Catequese: Evangelho do 5º Domingo da Páscoa: Mandamento do Amor

Evangelho do 5º Domingo da Páscoa: João 13, 31-35       Ano Litúrgico: C

O Mandamento do Amor!

Atividades de Fé e Amor a Luz do Evangelho



Esta atividade logo abaixo é para crianças menores de pré catequese
Eu louvo e agradeço a Deus pela sua vida, que tão gentilmente vem me visitar diariamente, Deus lhe pague pela linda presença aqui mo meu cantinho!!

Abençoado dia na companhia do Pai, Filho e Espírito Santo,

Abraço Fraterno!!
Sueli Carvalho
Catequese Infantil - Pãozinho do Céu Maria



Linda explicação deste Evangelho, vale a pena você   LER

 Primeiro Jesus viveu o mandamento do amor durante toda a sua permanência na Terra, e no final Ele recomendou esse amor de uns para com os outros, para todos os que tinham boa vontade.
         Jesus fez questão de mostrar que Ele veio para servir e não para ser servido. A cerimônia do Lava-pés foi um exemplo forte disso. O Filho de Deus lavou e beijou os pés dos apóstolos, numa atitude de pura humildade, para mostrar como os seus seguidores deveriam ser.
Então só depois de um testemunho de total desprendimento de si em relação ao outro, depois de um completo testemunho vivo de amor fraterno, Jesus então nos deu UM NOVO MANDAMENTO para que o mundo tenha paz. Para que a família seja feliz. Para que você e eu alcancemos um dia a glória eterna.
Nós precisamos imitar esse gesto de Jesus. Primeiro temos de testemunhar a vivência do AMOR FRATERNO. E somente depois disso, devemos anunciar a todos quantos pudermos, o NOVO MANDAMENTO anunciado por Cristo.
Os funcionários das empresas, usam um crachá de identificação, pendurado no pescoço. Também o bom cristão, o leigo atuante, o católico praticante, também usa um crachá. E esse distintivo é a sua maneira, o seu modo de tratar uns aos outros. Sem falsidade, sem exclusão, sem mentiras e com dedicação.
Assim como os funcionários se distinguem como membros daquela empresa, pelo visual exibido pendurado a uma fita, nós, cristãos autênticos, seguidores e discípulos de Cristo, também nos revelamos seguidores de Cristo aos demais, pela nossa conduta quase impecável de amor ao próximo. Dizemos “quase”, por que nunca seremos plenos, completos, perfeitos cristãos. Veja, que somos apenas IMITADORES de Jesus Cristo, e nunca iguais a Ele.
         O AMOR DE JESUS é algo muito maior do que o amor familiar: De pai para filhos, de filhos para com os pais, de esposo para com a esposa, e vice-versa, assim como o amor entre amigos, namorados etc.  Esse amor natural entre amigos e parentes, nem sempre é puro, e limpo de qualquer maldade. Pois como sabemos, muitos se casam por interesse econômico, numa espécie de prostituição discreta e planejada. É uma moça linda, mas pobre que se casa com um rapaz feio, porém rico, é um jovem pobre mas cheio de saúde que aceita se unir ou casar com uma mulher mais velha do que ele, ou mais feia, tudo por causa de dinheiro, tudo visando a sobrevivência. Assim, vemos que o amor entre parentes e amigos está longe de ser um relacionamento pacífico. Vemos todos os dias crimes bárbaros, que acontecem justamente entre as pessoas mais chegadas, mais próximas, ligadas pelo desejo, pelo prazer, ou forte amizade que de uma hora para outra, vira inimizade, tudo por culpa do EGOÍSMO E FALTA DE AMOR FRATERNO, não obstante o amor carnal ser forte.
         O amor do NOVO MANDAMENTO anunciado por Jesus, é puro, sem interesse, sem apego emocional ou carnal, é o AMOR FRATERNO, EM NOME DE JESUS. Esse amor só tem um interesse: Alcançar ou merecer a glória eterna, fazendo a vontade do Pai, que disse pela boca do seu Filho: “Amai-vos uns aos outros”.
Mas não é somente para fazer a vontade do Pai, que nos amamos na prática vital. Precisamos amar-nos uns aos outros, para que A NOSSA VIDA SEJA SUPORTÁVEL, AGRADÁVEL.  Pois quando não há amor fraterno, quando a vida gira apenas em torno de INTERESSES, o resultado é o que vemos todos os dias nos noticiários: Violência e mais violências, causadas pelo nosso egoísmo desenfreado, desmedido e sem limites e sem os freios, daqueles que pautam as suas vidas apenas visando uma melhor sobrevivência para si, sem nenhuma preocupação com o bem-estar do irmão, ou da irmã.  É o império do egoísmo disfarçado de gentilezas, sorrisos falsos, e apertos de mãos...
Somos gentis, e simpáticos até quando há interesses. A partir do momento em que o irmão ou a irmão não nos interessa mais, não serve mais para satisfazer os nossos desejos, os nossos planos, passamos a ser indiferentes a eles, não sorrimos, não ajudamos, não damos nenhuma esmola. Pois isso NÃO GERA RETORNO, assim pensamos.
Muitos acham que a vida é um comércio. Um toma lá, dá cá. Que tudo gira em torno do interesse. E o casamento não passa de um contrato social, para oficializar socialmente o amor carnal.
A vida está se tornando um verdadeiro inferno, por que é grande o número daqueles que não praticam o Novo Mandamento, sugerido por Jesus.
O amor fraterno não visa nenhum retorno. Jesus disse: quando fizer uma festa, convida os pobres e famintos, e não os do teu nível que também podem depois te convidar.... Quem de nós seria capaz de fazer isso? Os políticos? Os comerciantes?
O amor do Novo Mandamento, visa: Uma melhor sobrevivência, e o merecimento da glória eterna. Pois tratando bem o outro e a outra, eles também irão nos tratar bem, e assim a vida vai fluir bem melhor. Assim como quando damos uma ajuda, uma esmola, fazemos uma boa ação pelo necessitado, estamos construindo UM TESOURO NO CÉU, como o próprio Jesus nos disse.
Amai-vos uns aos outros para o vosso próprio bem! Seja caridoso, caridosa, e terás a recompensa do Pai!
 Amigo, amiga. Sua vida anda enrolada? Nada parece dar certo? Pare, pense. Será que você não é daqueles ou daquelas que vive pronunciando o nome de Deus e até reza, mas não pratica o Mandamento do Amor ao irmão?
Está na hora de perdoar, de tolerar, de ajudar, de dar um sorriso sincero, de não falar mal dos outros, de não se achar melhor que eles. É hora de conviver do jeito certo, ou seja, VIVER COM os outros, aceitando a todos do jeito que eles são, sem querer moldá-los para que fiquem no nosso jeito: Pensando, agindo e querendo como nós.
Aí você vai me dizer: Mas eu não tenho de evangelizar? Sim. Só que no caso dos amigos e parentes, a nossa catequese funciona mais pelo exemplo e pelo testemunho do que pela palavra. Façamos isso e assim estaremos amando uns aos outros como Cristo nos amou.
Bom domingo, José Salviano.

Fonte:http://liturgiadiariacomentada2.blogspot.com.br/2016/04/o-novo-mandamento-jose-salviano.html

4 comentários:

  1. Suely, paz e bem! Nós é que agradecemos a Deus pelo dom de sua vida por ajudar bastante as catequistas com esse maravilhoso trabalho que você faz e certamente o faz com muito prazer, é muito importante a sua colaboração... Que Deus lhe abençoe cada dia a mais e parabens pelo seu bog. um abraço fraterno! Cleuza

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Linda!! A Paz de Jesus!

      Deus te abençoe pelo carinho, seja sempre bem vinda querida Cleuza.
      Abraço Fraterno!

      Sueli
      Pãozinho do Céu Maria

      Excluir
  2. Paz de Jesus!
    Boa noite!

    estou encantada com cada atividades, fica difícil de escolher kkkk
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amada, a paz de Jesus!

      Obrigado pelo carinho!!

      Abraço Fraterno!
      Sueli
      Pãozinho do Céu Maria

      Excluir

Seu comentário é muito importante para mim. Amei sua visitinha volte sempre e que Deus te Abençoe grandemente!
Se você desejar pode me enviar um email:
sueli2508@hotmail.com

Obs: Se você escolher a opção Anônimo, no final não esqueça de colocar o seu nome! Abraço Fraterno!!